• Nota Sobre Revisão dos Dados Divulgados pelo ISP


    A criação do portal ISPDados e a consequente consolidação dos dados históricos da Segurança Pública do estado exigiu um processo de revisão dos dados divulgados, com vistas à equalização de códigos de ocorrência contabilizados e agregados em cada título divulgado ao longo do tempo.

    Cabe ressaltar que este é um processo usual e necessário em qualquer instituição que consolide dados, sobretudo dados administrativos, como aqueles que advêm dos Registros de Ocorrência da Polícia Civil (PCERJ) e conformam a base de dados do ISP.

    Sendo assim, o presente processo de revisão de dados é mais uma etapa do compromisso do ISP com a transparência e a qualidade dos dados oficiais da Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro.

    Abaixo, trazemos detalhados esclarecimentos sobre como cada título foi afetado pelo processo de revisão, e a partir de que anos há diferenças em relação aos arquivos de dados anteriormente disponibilizados pelo ISP em nossa página eletrônica.


    Roubo de Carga

    Até dezembro de 2008, o título Roubo de Carga divulgado pelo ISP era composto pela agregação de três distintas titulações de delitos do sistema de Registro de Ocorrências da PCERJ: “roubo de carga”; “roubo de carga – combustível”; e “roubo de veículo com carga”. A partir de janeiro de 2009, foi adicionada mais uma titulação na contabilização do título Roubo de Carga, que veio somar-se às outras três: “roubo parcial de carga”. Naquele momento, porém, não foi feita uma revisão dos arquivos até então disponibilizados na página eletrônica do Instituto (ou seja, até dezembro de 2008). Foi isso que fizemos agora: no novo arquivo de base de dados disponibilizado em nossa página, o título Roubo de Carga passa a contabilizar a soma das quatro titulações de delitos acima mencionadas também para o período anterior a janeiro de 2009, uniformizando a agregação das titulações para toda a série histórica disponível.


    Roubo em Coletivo

    Até dezembro de 2008, o título Roubo em Coletivo divulgado pelo ISP era composto unicamente pela titulação “roubo no interior de coletivo” do sistema de Registro de Ocorrências da PCERJ. A partir de janeiro de 2009, foi adicionada mais uma titulação na contabilização do título Roubo em Coletivo, que passou então a ser a agregação de duas titulações: “roubo no interior de coletivo” e “roubo no interior de transporte alternativo”. Naquele momento, porém, não foi feita uma revisão dos arquivos até então disponibilizados na página eletrônica do Instituto (ou seja, até dezembro de 2008). Foi isso que fizemos agora: no novo arquivo de base de dados disponibilizado em nossa página, o título Roubo em Coletivo passa a contabilizar a soma das duas titulações acima mencionadas também para o período anterior a janeiro de 2009, uniformizando a agregação das titulações para toda a série histórica disponível.


    Total de Roubos

    Em consequência das duas alterações acima, o total de roubos também sofreu alteração.


    Apreensão de Drogas

    Até dezembro de 2013, o título Apreensão de Drogas divulgado pelo ISP contabilizava o número de titulações relacionadas a apreensões de drogas que apareciam nos Registros de Ocorrência da PCERJ. Algumas vezes, porém, há mais de um tipo de titulação referente a drogas em uma mesma ocorrência. Dessa forma, a partir de janeiro de 2014 o título Apreensão de Drogas passou a contabilizar os Registros de Ocorrência em que aparecem titulações relativas a apreensões de drogas, e não mais o total de titulações. Ou seja, mesmo que uma ocorrência receba mais de uma titulação, é contada como apenas um caso.

    Entretanto, essa nova metodologia na contabilização do título Apreensão de Drogas adotada em janeiro de 2014 não foi retroagida para o período anterior. Isso foi feito agora. Portanto, a série histórica divulgada a partir de agora conta com uma mesma metodologia, o que permitirá uma visão mais acurada da série histórica.

    Em seu novo portal ISPDados, o ISP passa a divulgar também, além do total geral de ocorrências de apreensões de drogas por mês e por circunscrição de delegacia, os totais por tipo de ocorrência (posse, tráfico e apreensões sem autor).


    Prisões e Apreensões

    Até 2015, os dados de Prisões e Apreensões divulgados pelo ISP eram provenientes de uma base de dados já agregados ao nível da delegacia pela PCERJ. A partir de 2015, com a total informatização do sistema de confecção de Registros de Ocorrências pela PCERJ, os dados divulgados passaram a ser construídos pelo próprio ISP, a partir dos microdados dos registros de ocorrência. Dessa forma, as séries históricas de prisões e apreensões possuem uma quebra metodológica a partir de janeiro de 2015, o que implica que análises históricas desses registros devem ser feitas com muita parcimônia.

    Além disso, realizamos agora uma revisão da base de microdados utilizada a partir de 2015 para os títulos de Prisões e Apreensões, de forma a dar-lhe um tratamento mais acurado. Com esse tratamento, houve algumas alterações nos números originalmente divulgados em alguns meses dos anos de 2015 e 2016.


    Estupro

    Até a promulgação da Lei nº 12.015, de 7 de agosto de 2009, o ISP divulgava separadamente os títulos “Estupro” e “Atentado Violento ao Pudor”. Com a alteração trazida pela lei, houve uma junção desses títulos e o ISP passou a contabilizar todas essas ocorrências sob o título estupro. Até aqui, então, os arquivos de dados disponibilizados pelo ISP traziam os dois títulos (estupro e atentado violento ao pudor) separadamente até o ano de 2008, e unificados no título estupro a partir de 2009. Para dar mais consistência a comparações intertemporais, o que fizemos agora foi retroagir essa unificação para os anos anteriores a 2009. Desta forma, a partir desta revisão, a base de dados que passamos a disponibilizar traz apenas o titulo “Estupro” para toda série histórica, incorporando nele as vítimas que eram contabilizadas em Atentado Violento ao Pudor até 2008.


    Encontro de Cadáver

    Em agosto de 2014, passou a existir a titulação “Encontro de Desaparecido Morto”. Porém, apenas a partir de janeiro de 2016 tal titulação passou a ser contabilizada sob o título “Encontro de Cadáver”. Naquele momento, porém, não foi feita uma revisão dos arquivos até então disponibilizados na página eletrônica do Instituto. Foi isso que fizemos agora: no novo arquivo de base de dados disponibilizado em nossa página, o título Encontro de Cadáver passa a contabilizar a titulação “Encontro de Desaparecido Morto” também para o período anterior a janeiro de 2016, uniformizando a agregação das titulações para toda a série histórica disponível.




    Os seis títulos acima mencionados foram aqueles que sofreram alterações mais estruturais de metodologia ao longo do tempo. Outros títulos sofreram pequenas alterações nesta revisão, porém nunca superiores a 5% na comparação mensal entre os dados que passam a ser disponibilizados em nossa página eletrônica e aqueles que eram disponibilizados até aqui.

Você também pode ter acesso a esses dados acessando o site do ISP - Instituto de Segurança Pública.